Eu assisti | Série Jessica Jones

14:18:00





Se você não está habituado a ler quadrinhos, seja bem-vindo, você é mais uma da lista pois eu não leio quadrinhos e sinceramente não sinto vontade, mas isso vai de cada um não é mesmo? É. Eu nunca tinha ouvido falar em Jessica Jones antes em toda a minha vida e quando eu vi que ia ser lançada uma serie sobre essa mulher eu fiquei meio que perdido e nem um pouco interessado. Ouvi pela primeira vez o nome Jessica Jones enquanto eu falava com colegas sobre series novas que iriam surgir e do nada comentaram dela. Depois disso eu descobri que seria a Netflix que iria fazer a serie (ou que já estavam fazendo, eu acho) e acabei me interessando já que a Netflix está sendo a melhor produtora de series que eu já assisti (Sense8 que o diga, ainda estou perplexo).

Para qualquer coisa que você estiver fazendo e venha me ler, agora. Jessica Jones é um suspense psicológico então não espere cenas como as dos vingadores a todo momento. Claro que acontece uma luta aqui e outra ali, uma porta quebrada uma parede atravessada, mas nada demais ao meu ver. Os assuntos tratados são sérios, a violência é constante (lembre-se que violência não é apenas quebra-pau), a atmosfera é assustadora e os acontecimentos são pesados. As ruas sombrias de Hell’s Kitchen se tornam ainda piores quando vistas por alguém que já mergulhou na escuridão e não consegue escapar. Eu realmente não me lembro de ter assistido algum filme com a atriz que pegou o papel principal, mas posso dizer que fiquei feliz com a atuação dela. Krysten Ritter foi a escolha perfeita para a personagem. Ela se entregou ao papel de forma sensacional. Já não consigo imaginar mais ninguém interpretando a personagem. Uma das coisas que eu mais amei na serie e na historia da Jessica é que ela não é uma heroína salvando a sociedade e o mundo, ela é apenas uma mulher com muitos traumas querendo ser deixada em paz e viver a sua vida sem ninguém perturbando, apenas ser livre, mas isso está longe de acontecer.

Jessica já tentou ser uma super-heroína mas sofreu um trauma profundo. Quando ela decidiu que seria bom usar suas habilidades para fazer a diferença, acabou chamando a atenção de um homem muito perigoso. Zebediah Kilgrave é um espectro em sua vida, uma assombração. A série apresenta tão bem esse trauma que muitas vezes o espectador confunde realidade com sonho, sem saber se Kilgrave está, de fato, perseguindo a detetive ou se o transtorno do estresse pós-traumático está fazendo com que ela enlouqueça. Muitos momentos você se sente ela e fica preso a sua visão nas cenas.  Ela é uma investigadora particular (Codinome Investigações) e acredite, ela é boa, muito boa no que faz. Durante uma investigação corriqueira, Jessica descobre que o seu pior medo está acontecendo: Kilgrave está de volta. Testemunhamos a vida da protagonista se transformar em um verdadeiro inferno e pessoas a sua volta correndo risco de morte. A sensação de ser observada o tempo todo, de não saber o que a espera na próxima esquina, de não saber quando deve abrir a porta para alguém e o medo de passar por tudo outra vez fazem com que Jess fique à beira da loucura e, consequentemente, o espectador também. Qualquer pessoa pode ser controlada por Kilgrave e enviar uma mensagem para Jess. Isso acontece? Não podemos dizer. Mesmo traumatizada, assombrada e amedrontada, a caça decide caçar o caçador e vai atrás de pistas para conseguir destruir Kilgrave, mas ela não pode mata-lo pois existem alguém sendo acusada de um crime que cometeu porque ele a forçou, e ele vivo poderia explicar tudo o que acontece.




Jessica parece uma pessoa solitária, mas ao decorrer da trama vai se mostrando uma pessoa que é bem amada e odiada pelas pessoas. Ela tem uma grande amizade com Trish que é a radialista #1 de NY, a mais ouvida. Mesmo que as duas não se viam a um tempo, a amizade delas se mostra forte como sempre na luta contra o inimigo e tudo vai ficando mais perigoso, mais obscuro, mais confuso. Ela conta também com seu vizinho que lhe dá um certo trabalho, mas que no fundo ela adora e não o quer ver da forma que se encontra. Tem também Luke, um homem com habilidades que (me perdoem) mas não poderei dizer aqui porque preciso deixar vocês curiosos demais para no mínimo assistir ela porque eu sinto esse desespero para mostrar as pessoas coisas que eu gosto, afinal é por isso que eu tenho um blog.

Tudo pode parecer meio perdido, mas as coisas do passado vão se encaixando e mesmo que você comece a serie sem saber nada de cada um dos personagens você vai conhecendo eles aos poucos, mesmo que seja o básico de cada um, o passado vem a tona ou em lembranças ou em diálogos e falando em diálogos: não tem serie com melhores diálogos que essa. Tanto em inglês quanto dublado em português foram preservados os palavrões básicos de um dia a dia que normalmente muita gente fala então não se assuste se ouvir algo como “merda” ou “porra” saindo da boca de qualquer pessoa. Pode parecer algo irrelevante, mas eles usaram isso bastante com a Jessica, meio que mostrando que as mulheres tem total controle de suas vidas e do que deve ou pode fazer ou falar sem se preocupar com as pessoas pensando se elas são masculinizadas ou não (porque a sociedade ainda faz isso porque as pessoas não tem mais o que fazer da vida além de falar da vida de outras pessoas).

Há referências aos Vingadores por todos os lados. Além disso, Jessica Jones prepara o terreno para Capitão América: Guerra Civil, mostrando que o ambiente está cada vez mais hostil em relação a pessoas com poderes. É legal essa ligação entre filmes e series mostrando um mesmo mundo, um mesmo lado e pessoas com poderes sendo cada dia mais hostilizadas. A fotografia da série é exuberante, os tons escuros envolvem o espectador de forma que o mesmo se perca na trama e os tons de violeta, tão presentes na série em quadrinhos, são o anúncio sinistro de que o mal está por perto. A trilha sonora não poderia ser melhor, a abertura é uma obra de arte e a fidelidade ao material original é impressionante. Jessica Jones vai te envolver em um mar de escuridão e você, ao lado da protagonista, tentará chegar à superfície cheia de luz, mas será empurrado para baixo.
Pode parecer que eu não disse nada sobre a serie, mas está perfeitamente descrita no texto. Mas se não está satisfeito com isso, tenho 4 motivos para assistir Jessica Jones.

Heroína atormentada
Jessica Jones era uma garota como outra qualquer, até sofrer um acidente, perder os pais e acordar de um coma dotada de força extraordinária. Mas longe de idealizar para si um papel como salvadora, ela tem seus próprios conflitos pessoais. Tudo isso tem um agravante que responde pelo nome de Kilgrave, o "Homem-Púpura", um vilão controlador de mentes, que usou Jessica da pior forma possível e do qual ela se libertou. Seus erros do passado a fizeram sentir culpa, que ela usa para tentar proteger as pessoas que ama.
Falando sobre abuso
Kilgrave tem o poder de fazer qualquer pessoa agir conforme a vontade dele. Ele aprisiona Jessica durante um bom tempo, abusando do seu corpo e da sua força física. E isso é dito sem mostrar o abuso de fato, mostra a luta pós-trauma da heroína. Tanto é que, em determinado momento, ela o acusa de estupro. Ele diz que foi por amor. Ela repete: “você me estuprou”. E de forma sucinta, explica que, quando você força alguém a fazer algo contra o seu consentimento, é estupro.
Mulheres fortes
Apesar de ser a heroína da história, Jessica não é a única. Felizmente, a série tem várias mulheres que fogem do estereótipo de mocinha indefesa. A melhor amiga de Jessica, a celebridade Trish, luta krav-magá e sabe se defender sozinha. A advogada de Jessica é uma mulher fria, porém forte e que derruba qualquer pessoa em qualquer tribunal.
Sequências de luta menos sofisticadas
Se em “Demolidor” as lutas são perfeitamente coreografadas, em “Jessica Jones” elas se parecem muito mais com brigas de rua com um resultado mortal. Algumas pessoas podem achar isso um demérito, mas lutas mais realistas aproximam o espectador da série. Ao contrário de Mattew Murdock, Jessica jamais foi treinada. Ela luta com seu instinto e não sobra nenhum inimigo em pé.
Espero que eu tenha convencido você a pelo menos assistir um episódio, pois isso será o suficiente para se apegar a série e acabar com ela em apenas 3 dias (no máximo). Deixem suas opiniões aqui que eu quero saber o que acharam da série.

Siga o blog e receba novidades em primeira mão.

Me acompanhe: TWITTER | CANAL | INSTAGRAM | FACEBOOK

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

4 comentários

  1. Adorei a resenha! Adorei o Blog!
    Amei a Jéssica!! Assisti em um final de semana! Sem dúvidas envolvente!
    O que eu mais gostei foi todo esse empoderamento feminino por trás (mas não tão por trás assim)...o fato dela ter sofrido um grande abuso e lutar, não por vingança, mas sim por justiça e para que outras mulheres não passem pelo mesmo que ela. Acho que tem muita gente precisando assistir! hahaha
    http://adivinhahoney.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma série que pode mudar a forma de pensar de muitas pessoas e eu também acho que muita gente precisa assistir. O empoderamento feminino está em alta nos ultimos anos e eu acho que isso é otimo para mostrar as pessoas que as mulheres são mais fortes do que muitos pensam. Fico muito feliz que tenha gostado, espero te ver aqui mais vezes.

      Excluir
  2. Moço, você arrasa. Blog lindo e resenha maravilhosa. Acabei Jessica Jones mês passado e sua resenha ,e deu vontade de assistir tudo de novo haha.
    Parabéns!
    Um beijo

    pratelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fico muito feliz com isso, de coração, agradeço muito pelo carinho. Jessica Jones se tornou um vicio pra mim, algo inexplicável, além do que eu já estou acostumado. Espero que eu consiga fazer as pessoas sentirem vontade de assistir essa serie. Obrigado pela visita e espero que volte aqui mais vezes.

      Excluir

Deixe o seu comentário, não esqueça do seu email e do seu blog!